terça-feira, novembro 06, 2007

Do surrealismo aéreo nacional


Hoje, a Pitucha respondeu no seu blog ao desafio de escrever cinco frases surrealistas. E fê-lo com a sua costumeira habilidade. No final, relançou o desafio para o ar, tipo pombinha da Catrina, e eu decidi apanhá-lo e escrever, não cinco frases surrealistas, mas uma história inteira. Estão bem sentados?... Ora então, aqui vai.

Na tentativa de fazer um fim-de-semana prolongado diferente, um amigo meu - vou chamar-lhe P. - decidiu vir a Bruxelas na passada quinta-feira. Para tanto, comprou um bilhete de avião de ida e volta à TAP (o surrealismo começa aqui, está-se mesmo a ver) para um voo que, saindo cedinho de Lisboa, aterrava em Bruxelas às 11h30 da manhã, hora local.

Assim, apresentou-se no check-in do aeroporto de Lisboa cerca das 6h30 da manhã. Porque é portador de uma deficiência motora, o P. desloca-se numa cadeira de rodas, tendo sido necessário fornecer-lhe assistência para o levar até ao avião. Feito o check-in, apareceu um senhor bagageiro para desempenhar a tarefa.

Foi conduzido através do aeroporto, mas não pela normal zona de embarque. Passou no raio-x usado pelas tripulações e viu-se do lado de fora do aeroporto (junto às pistas), tendo sido transportado até ao avião à segunda tentativa do bagageiro de pôr uma carrinha a trabalhar (a primeira não tinha bateria, pois tinha sido deixada com as luzes acesas durante toda a noite).

Após a entrada no avião, sentou-se no lugar indicado no seu talão de embarque, mas, momentos depois, apareceu um segundo passageiro para o mesmo lugar. A situação foi prontamente resolvida pela hospedeira, pois havia muitos lugares desocupados.

Fechadas as portas, o avião fez-se à pista e uma voz fez-se ouvir nos altifalantes, dando início ao pesadelo do P.: Senhores passageiros, fala-vos o comandante. Bem-vindos a bordo deste voo da TAP com destino a Zurique.

Sim, leram bem, não me enganei. O P. tinha sido empurrado até ao avião errado, nenhum elemento da tripulação tinha verificado o seu cartão de embarque, nem quando se levantou o problema dos dois passageiros para o mesmo lugar e conclui-se de que não servira de nada as hospedeiras terem andado para a frente e para trás a fingir-se muito concentradas a contar os passageiros, pois o avião ia descolar com um passageiro a mais. Isto diz muito acerca da competência das pessoas e das questões de segurança aérea, não diz?

Mas continuando o impensável!...

Apercebendo-se de que estava no avião errado, o meu amigo informou uma hospedeira acerca do facto, mas a mesma disse-lhe que nada podia fazer, na medida em que o avião estava mesmo quase a levantar voo. No entanto, a hospedeira garantiu que informaria o comandante que, por sua vez, deveria informar os serviços da TAP, em última instância os de Zurique, que deviam tratar do reencaminhamento do passageiro para Bruxelas.
Passaram-se três horas, que é sensivelmente o tempo de voo entre Lisboa e Zurique. Aterrado o avião, o P. telefonou a explicar o que lhe acontecera e eu, conseguindo ver na Internet que havia um voo Zurique-Bruxelas dali a 45 minutos, disse-lhe qual era o número da respectiva porta de embarque. Lá chegado, ele pôde constatar que nenhum funcionário da TAP tinha feito o que quer que fosse para reparar a falha cometida. Nas três horas de voo, ninguém lhe tinha reservado bilhete para Bruxelas, ninguém o esperava para o reencaminhar para outro voo, ninguém lá estava nem para um simples pedido de desculpas, para nada. A TAP despejou-o, pura e simplesmente, num país que não era aquele para o qual queria viajar. Foi a Suiça, mas podia ter sido o Brasil, os EUA ou Cabo Verde... Foi um adulto, mas podia ter sido uma criança.

Após vários telefonemas à portuguesa, para amigos dos primos das secretárias dos vizinhos dos porteiros das empregadas da limpeza dos administradores da TAP, lá conseguimos que duas antas se dignassem a contactar o P., a dar-lhe vouchers para almoçar e a informá-lo de que lhe reservariam um lugar no próximo voo, que chegaria a Bruxelas às seis da tarde.

Resta-me ainda contar que também foram surrealistas as respostas que obtive nos telefonemas que fiz para localizar a bagagem do P.. Entre outras pérolas, a menina o serviço de bagagens da TAP assegurou-me que as bagagens teriam seguido para Bruxelas. Quando lhe perguntei se não era verdade que, por razões de segurança, são retiradas dos aviões as bagagens dos passageiros que faltam ao embarque, ela respondeu-me que desconhecia esses procedimentos. Perceberam bem? O serviço de bagagens DESCONHECE os procedimentos RELATIVOS ÀS BAGAGENS nos casos de não embarque dos passageiros. Mas não está só. A senhora do balcão da TAP de Bruxelas, com quem também falei, que me disse que trabalha para a TAP HÁ VINTE ANOS, também me disse que, embora não mo podendo assegurar, também lhe cheirava que as bagagens tinham vindo no avião para Bruxelas. Aconselhou-me a meter-me no carro e a ir procurá-las no aeroporto de Bruxelas (coisa inteligente, que haveria de servir-me de muito, sem eu sequer dispor do número da bagagem...)

Sucede que eu, que nunca trabalhei para nenhuma companhia aérea, estava certa. A bagagem, que tinha sido colocada no voo para Bruxelas, teve de ser retirada do avião, devido à falta de embarque do passageiro. Por essa razão, o voo saiu de Lisboa com uma hora de atraso. Culpa de quem?...


29 Comments:

Blogger espumante said...

Esta hitória devia ser repetida mil vezes e mil vezes publicitada. para qwe todos aqueles que vêm para a rua gritar contra tudo se lembrem desta massa única e estranha de que somos feitos. Normalmente, eu chamo a este tipo de coisas a síndrome de arrumar o carro fora dos traços. Arruma-se o carro fora dos traços e nem sequer se dá por isso. Esta noite, uma senhora distraiu-se, fez uma ultrapassagem mal feita e um autocarro caíu, matando 15 pessoas idosas e ferindo vinte e cinco. A senhora que provocou o acidente foi tratada na Covilhã, ao contrário dos ouros feridos, para evitar a ira popular. Nós somos assim. Uma mistura de estouvados, negligentes e irresponsáveis. Estas características agudizam-se quando estamos em território nacional. Porque estamos em casa e em casa mandamos nós. Nem que seja para mandar, por engano, uma pessoa numa cadeira de rodas para Zurique.
Beijola
P.S. Gostei particularmente daquele pormenor da cadeirinha que não trabalhava porque ficou sem bateria, porque deizaram a luz acesa de noite. Uma maçada...
:)

novembro 06, 2007 12:03 da tarde  
Blogger Carlota said...

Tens razão, Espumante. Eu, por acaso, cheguei a pensar em criar uma corrente com ela.
Quanto ao P.S., era uma carrinha! :)

novembro 06, 2007 12:21 da tarde  
Blogger Skyman said...

Porque o meu comentário a este teu excelente post, ficaria aqui muito extenso, resolvi fazê-lo no meu blog, já que a situação de alguma maneira, se completa e equilibra.
bjs

novembro 06, 2007 2:59 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

s
u
r
r
e
a
l
.
.
.

[vou pedir-te permissão para transportar este texto para o meu blog. é que se colocar lá o link, menos o lêem. ok?]

beijolas. eu por acaso para bruxelas fui uma vez na TAP, mas a partir do Porto.As outras viagens foram na Virgin.

novembro 06, 2007 5:59 da tarde  
Blogger Joao com til no a, se faz favor. said...

Não sei se é autora que tem verve e mérito, ou se esta história se prestava mesmo a ser bem contada.

Em todo o caso bem concordo quea peça mereceria ampla divulgação.

É por estas e por outras que eu acho que há em Portugal DUAS instituições muito representativas da nacionalidade luistana que são nocivas ao bem-estar e à civilização e que deveriam ser extintas, dissolvidas, apagadas -- os dias em que elas nasceram morram e pereçam, como diria o Bocage.

Uma é a TAP.

novembro 06, 2007 6:48 da tarde  
Blogger Pitucha said...

Estou furiosa! Isto é inadmissível! Juro qu evou mandar isto para a TAP.
Beijos

novembro 06, 2007 7:44 da tarde  
Blogger Sinapse said...

! é de se ficar à beira de uma apoplexia com tanta incompetência e tão generalizada, incompetência e pequenez que se estendem desde o pessoal de terra até aos incompetentes do call-centre! incompetentes, cambada de incompetentes!

novembro 06, 2007 8:36 da tarde  
Blogger Beg said...

Inadmissivel e inaceitavel!

novembro 06, 2007 10:29 da tarde  
Blogger carol said...

Que cambada de incompetentes! Eu pensava ter razões de queixa deles mas, este caso supera tudo.
Enfim, segundo os ingleses, as siglas TAP significam "Take Another Plane"... cada vez lhes dou mais razão.
Bj

novembro 07, 2007 1:58 da manhã  
Blogger Tiago Nené said...

apareçam aqui:

http://www.bloguedasartes.blogspot.com/

novo conceito de blogue.

novembro 07, 2007 4:37 da manhã  
Blogger S said...

Carlota,

Que vergonha!! Que incompetência! Infelizmente não me custa acreditar por experiências que já tive, mas esta de facto bate records de surrealismo. Beijos,Sofia

novembro 07, 2007 10:07 da manhã  
Blogger MRP said...

carlota convence o teu amigo a nao deixar morrer o assunto. defesa do consumidor, tibunal, qualquer coisa mas calar é que nao. à conta de que o pessoal deixar cair estas histórias é que elas se vao repetindo.

novembro 07, 2007 10:40 da manhã  
Blogger MRP said...

... e se precisarem de ajuda, avisa.

novembro 07, 2007 10:42 da manhã  
Blogger Carlota said...

Obrigada pelos vossos comentários, apoio, divulgação e sugestões.

novembro 07, 2007 11:17 da manhã  
Blogger  said...

Antes fosse surreal... o pior e que aconteceu mesmo. Reclamar! reclamar! reclamar! mas num sitio onde toda a gente possa ver!

Be

novembro 07, 2007 11:40 da manhã  
Blogger Mónica Lice said...

Infelizmente, conheço bem a incompentência da TAP...

Como diz o Jorge, do Africanidades (www.africanidades.blogspot.com), TAP é sinónimo de Take Another Plane...

Bjinhos.

novembro 07, 2007 2:04 da tarde  
Blogger 125_azul said...

Pois também tenho uma crítica a uma outra barbaridade (não da TAP, senão tinha posts para 3 ou 4 meses) lá no 125. NÃO HÁ PACHORRA!!!
PS: onde se compra um telemóvel voador? Que que o meu, coitado...
Beijinhos

novembro 07, 2007 3:46 da tarde  
Blogger lenca said...

A história é surreal, não haja dúvida. Mas o pior agora, como aí alguém sugere, é "reclamar". É que reclamar para a TAP é de enlouquecer qualquer alma de santo. Eles têm um serviço com um nome fabuloso: "Fale Connosco". A questão é que é, literalmente, fale connosco, porque nós não respondemos. Podem faze-lo por telefone, por email: faleconnosco@tap.pt ou por carta. Mas a resposta - que demora em média 4 meses porque desde que conheço este serviço está sempre "com um atraso momentâneo" - vai ser igual para todos "obrigada pelo seu contacto. Agradecemos a sua sugestão e vamos tentar melhorar." igual para todos e para todas as reclamações. Por telefone ainda é pior, porque vão mesmo ter que perder a calma perante a imbecilidade de quem vo atende. Eu por exemplo, liguei para reclamar de um voo Lisboa-Dublin que me cancelaram 3 semanas antes da data de partida e a senhora respondeu-me "Entenda, o seu voo foi cancelado porque aparelho vai ter uma avaria".

novembro 07, 2007 6:38 da tarde  
Blogger RAF said...

A TAP é a ,aior miséria que anda pra aí, e ainda vivem com o mito que são uma companhia de 1.ª, com uma sobranceria ridícula...

novembro 07, 2007 6:40 da tarde  
Blogger Sinapse said...

A lenca tem toda a razão! As respostas do "Fale Connosco" demoram em média 4 ou 5 meses a chegar ... e, quando chegam, não dizem nada, o conteúdo é um texto standard que não responde em nada à reclamação apresentada há uns meses atrás pelo pacóvio do cliente.

O P. devia era levar isto para os tribunais, isso sim!!!!

O que me choca mais que o erro inicial é a série de erros e negligência que se sucedem, revelando um atroz desprezo pelo cliente P. e uma inadmissível gritante falta de respeito pela pessoa P..
Durante as horas de voo até Zurich, a TAP foi INCAPAZ de fazer o que quer que fosse para corrigir a situação. A TAP pura e simplesmente DEFECOU DE ALTO para o problema e para o passageiro, lavou dali as mãozinhas incompetentes, NÃO MEXEU UMA PALHA, e quem teve de mexer-se para ajudar o P. foram os amigos do P. incluindo a Carlota que passou horas ao telefone a ser transferida de incompetente para incompetente e a ouvir imbecilidades tais que deveria receber também uma indemnização por ataques à sua inteligência e à sua paciência.

Enfim ...

novembro 07, 2007 7:21 da tarde  
Blogger MJ said...

De facto é surreal! E triste que aconteçam incompetências dessas e ninguém seja reponsabilizado.
Eu de facto não tenho nenhuma razão de queixa da TAP.
Pelo sim pelo não (e porque alguma coisa eu aprendi com os holandeses) levavam um reclamação que até andavam de lado!
Beijinhos

novembro 07, 2007 9:30 da tarde  
Blogger Jorge Rosmaninho said...

Sou utilizador frequente das LInhas BIssau e Dacar e tenho tb estórias incriveis passadas comigo e com amigos nestes voos. Ja publicitei a estoria no meu blog, com a devida venia e link. Tb eu bato de quando em vez na incompetencia que medra na merda TAP!

novembro 07, 2007 11:34 da tarde  
Blogger ana vidal said...

Inacreditável. Também já me aconteceu uma parecida: aterrei em Nova Iorque (onde estavam 15º negativos!!) só com a roupa que tinha no corpo, porque a mala tinha desaparecido. Apesar das minhas reclamações escritas, faladas, etc, ninguém resolveu o assunto. Obviamente que tive que comprar tudo o que precisava para uma semana de estadia, inclusive um bom casaco quente, ou nem sequer sairia à rua... quando cheguei ao aeroporto para voltar para Lisboa, a mala estava no depósito das bagagens, onde tinha passado toda a semana. Ou seja, foi passar férias a NY, sem sair do aeroporto. Mas o pior de tudo é que, quando apresentei as facturas de compras de roupa, coisas de higiene, etc, (tinham-me dito para guardá-las, que as companhias até têm um seguro para isso) disseram-me que só podiam dar-me 150€, independentemente do valor das facturas!! Fantástico, não é? Não pagou nem o casaco...

novembro 07, 2007 11:40 da tarde  
Blogger Fugitiva said...

De certeza que a hospedeira tinha umas unhas perfeitas, uns dentes perfeitos, o peso estava na tabela, etc. Será que ninguém reparou na qualidade da hospedeira? Só reparam em pormenores parvos de um erro pouco grave como o que aconteceu com o P.!

Repito: então e a qualidade das hospedeiras? Ninguém viu? São seleccionadas a pente fino após uma grande sequência de testes de imagem. Ninguém dá valor a isso?

Pois é, o cérebro está (ou não) dentro da cabeça, por isso não é avaliado nos testes de selacção da TAP.

novembro 08, 2007 2:38 da tarde  
Blogger Muffi said...

Eu cá estou à espera de resposta a uma reclamação desde Julho.
E até já estou resignada ao facto de que vão safar-se a pagar-me a indemnização.
A TAP é um espectáculo...

novembro 08, 2007 3:28 da tarde  
Blogger margaridatf said...

kafkiano!!!
eu no ano passado tive um problema no final de novembro.... reclamei umas + de30 vezes, forward e mais forward... recebi a resposta outubro deste ano

...No entanto, não podemos deixar de pedir desculpa por qualquer falta de informação que se possa ter verificado nos nossos serviços em terra.

Agradecendo a sua preferência pela TAP Portugal, aproveitamos para apresentar os nossos melhores cumprimentos, esperando poder continuar a contar com a sua presença nos nossos voos.


preferencia...

novembro 10, 2007 2:21 da tarde  
Blogger Sandra said...

Bom - ok. E surreal. Mas quanto a bagagem-aconteceu-me ter de falhar um voo da US Airways porque acharam piada a ideia de vender 25 lugares imaginarios na esperanca de que 25 pessoas faltassem ao UNICO voo que havia da US Airways para Bruxelas. Como ninguem faltou... Foi uma festa!!!

Eu tive de esperar - olecas !
Mas a minha malinha e que nao.
Contente da vida la foi rumo a Bruxelas-sozinha coitadinha. Bem que penou a passar vezes sem conta sem ninguem a apanhar.
Felizmente nao fez BUM em lado nenhum (olha fiz um poema-e do avancado da hora).
Portanto proponho o seguinte: por esta malta toda, Tugas, Gringos etc. num cursito de recauchutagem dos conhecimentos sobre seguranca. Bora ai ???

Sandra

novembro 12, 2007 9:16 da tarde  
Blogger Luisa Hingá said...

O Comandante do voo para Bruxelas cumpriu os regulamentos de segurança. Não levar as malas do passageiro em falta.
O Comandante do voo para Zurich não devia ter saído com um passageiro a mais. Devia ter havido recontagens e confirmar bilhetes.
As funcionárias que atenderam em Bruxelas não podiam dizer que as malas podiam ter embarcado sem o passageiro.
Façam seguir a reclamação para o Instituto Nacional de Aviação Civil, por favor. Esse Comandante, tripulantes e quem despachou o voo não vai repetir isso com outros passageiros.
E digo-vos uma coisa: Tenho toda a confiança na TAP no que se refere à manutenção dos aviões. Já me aconteceu poder ir quase de borla noutras companhias e preferir pagar o bilhete na TAP.
Trabalhei muitos anos em aeroportos, não para a TAP.

novembro 15, 2007 5:58 da tarde  
Blogger Luisa Hingá said...

E o P. que não se esqueça de pedir o reembolso da viagem. Não sei os prazos mas faz parte do direito dos passageiros.

novembro 15, 2007 6:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home