segunda-feira, março 02, 2009

Série cromos repetidos


Madame Pipi

Triste sina essa de passar os dias enfiada numa casa de banho de maus odores permanentes ou passageiros, de ver entrar e sair gente de toda a espécie, de fingir que limpa as sanitas após cada utilização, de controlar as entradas e saídas, não vá alguém esquecer-se de pagar a utilização, e de controlar o número de toalhetes que cada utilizador usa para secar as mãos – no caso de as lavar.
É esta a descrição do trabalho levado a cabo pela chamada Madame Pipi (*), designação que se dá às senhoras que por aqui trabalham nas casas de banho acessíveis ao público.
Não estou, contudo, a referir-me a casas de banho públicas, não! Refiro-me às casas de banho a que o normal português se habituou a frequentar de borla nos centros comerciais, nos cinemas, nos hipermercados, nos McDonald's, nos restaurantes e até, imagine-se, nas discotecas! Àquelas cuja utilização gratuita e expectativa de encontrar limpa são consideradas como direitos adquiridos de um utilizador que se encontra num estabelecimento comercial na qualidade de (potencial) consumidor.
Por aqui, a história é outra. Estejamos a fazer compras em lojas, a meio de um filme após ingerir meio-litro de Coca-Cola, a prepararmo-nos para gastar 250 euros no hipermercado, entre dois Big Macs, à espera que nos sirvam um jantar(**) ou a caminho de uma fenomenal bebedeira num estabelecimento nocturno, se a bexiga apertar e nos dirigirmos à casa de banho, lá está ela à nossa espera, a implacável Madame Pipi, que não hesitará em dizer-nos “Désolée!”, caso não tenhamos no bolso as necessárias moedas.
Tenho de confessar que já me resignei ao facto de ter de desembolsar 30 cêntimos de cada vez que sou obrigada a utilizar uma casa de banho infecta. Nem sempre fui assim. Ainda há poucos anos atrás, era capaz de me aguentar um dia inteiro, se fosse preciso. Tudo menos passar moedinhas à Madame Pipi! Cheguei até a fugir a uma no cinema, escapulindo-me a toda a velocidade enquanto ela berrava: “Madame! Madame!” (eh, eh, eh!). Achava aquela cobrança tão ilegal que nem sequer senti que estava a portar-me mal. Mas agora já estou integrada nas regras da sociedade belga(***).
Acho, até, que já encontrei a solução para o meu complemento de reforma. Quando for velhinha, vou arranjar um posto de Madame Pipi. De preferência numa discoteca, onde se cobra mais caro e onde rende com certeza mais. Nessa altura já terei insónias e não vão fazer-me falta umas horitas de sono. E poderei então finalmente jogar na PSP horas a fio, enquanto as moedas tilintarão no meu pratinho da Vista Alegre!

(*) Pipi traduz-se para português por chichi.
(**) Actualmente, a maioria dos restaurantes já não tem Madame Pipi.
(***) Façam o favor de não fazer uma interpretação extensiva da afirmação.
Post publicado neste blogue em Março de 2006.

Etiquetas: ,

10 Comments:

Blogger Claudette Guevara said...

Uma das formas de diminuir a taxa de desemprego. Ah, pois é!

Houvessem mais Madames Pipis em Portugal.

março 02, 2009 3:49 da tarde  
Blogger Sinapse said...

Depois de 2 anos longe de BXL ... este post provocou-me um arrepio de horror ... a Madame Pipi! aaaaargh!!

... já tive vários episódios com as Madames ... uma vez, no Bazaar, ignorei a Madame Pipi de serviço ... ela veio atrás de mim aos gritos ... estóica, desci as escadas sem parar nem olhar para trás ... mas temi que a furiosa Madame me atirasse um sapato à cabeça e descesse as escadas para revistar-me os bolsos à procura de 2 moedas ... chiça!

março 02, 2009 3:54 da tarde  
Blogger Sinapse said...

lol! ... pergunto-me se já teria contado este mesmo episódio quando publicaste o post pela primeira vez!
... vou ver ...
... até já!

março 02, 2009 4:07 da tarde  
Blogger Sinapse said...

Pois! eu vi logo! o meu comentário também é um cromo repetido!

março 02, 2009 4:12 da tarde  
Blogger Carlota said...

É uma ideia, Claudette.

Pois era isso mesmo que eu ia dizer-te, Sinapse, que já tinhas contado essa história antes. Mas eu também, portanto, estamos quites.

março 02, 2009 4:21 da tarde  
Blogger Claudette Guevara said...

Aqui, nas estações de comboio, já se vê Madames Pipis, muito simpáticas por sinal e que num minuto nos desabafam em como preferem este trabalho, a ficar enfiada em casa o dia todo com um rendimento miserável, em frente à TV. E eu vou sorrindo. Por isso é que desabafei essa "ideia".

março 03, 2009 1:56 da manhã  
Blogger Cindy said...

Por aqui também havia destas coisas, principalmente em centros comerciais pequenos... o pior nem era pagar os cêntimos, porque em Espanha, por exemplo, temos obrigatoriamente de colocar a moedinha na porta para entrar, o pior mesmo era a Madame Pipi desenrolar o papel higiénico para utilizarmos!
Há muito que não as vejo... possivelmente acabou... esperamos que sim, porque mais vale porta com moeda do que Madames Pipis!!

março 03, 2009 11:32 da manhã  
Blogger Cindy said...

Ou mais vale ser de livre utilização, claro!!!

março 03, 2009 11:33 da manhã  
Blogger calamity jane said...

Em Paris tb as havia... Devia ir direitinha para a tua CCI ;-)

março 04, 2009 11:18 da manhã  
Blogger Carlota said...

Pois devia, CJ, mas escrevi isto no tempo em que ainda não coleccionava as coisas irritantes, apenas as empilhava.

março 05, 2009 1:26 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home