quinta-feira, maio 15, 2008

Conclusão


As desculpas eram imprescindíveis. Não havia outra saída possível.

A alegação do desconhecimento da lei como causa de desculpabilidade, vinda de quem vem, é, no mínimo, ridícula.

A promessa de deixar de fumar era algo a que podia ter-me poupado. Porque é um assunto do foro privado e porque me estou positivamente nas tintas para ele.

7 Comments:

Blogger rafaela said...

No minimo, ridiculo, tenho um bocado de vergonha admito =|

maio 15, 2008 10:59 da manhã  
Blogger Patti said...

Como eu já comentei num outro post algures, parecia um menino pequenino que foi apanhado pela mãe a comer um doce antes do jantar.

Vai deixar de fumar? E eu com isso? Por mim até pode fumar 20 cigarros de uma vez só, para ver se entope a garganta e se cala durante uma semana e não diz mais disparates.

Tinha ali uns impostos para pagar, mas agora já não sei se são para pagar ou não?
Olha, vou dizer que lamento, pode ser que passe, não e?

maio 15, 2008 11:21 da manhã  
Blogger Pitucha said...

Que gajo tão mais sem imaginação!
Beijos

maio 15, 2008 11:30 da manhã  
Blogger Melões Melodia said...

e mas e um grande cara de pau!
beijos

maio 15, 2008 2:47 da tarde  
Blogger Sinapse said...

O-M-G! Unbelievable!!

... é que não quero acreditar ...

... ó Sr. PM ... olhe, duuuuuh!

maio 15, 2008 11:13 da tarde  
Blogger Sinapse said...

O-M-G! Unbelievable!!

... é que não quero acreditar ...

... ó Sr. PM ... olhe, duuuuuh!

maio 15, 2008 11:13 da tarde  
Blogger Antero de Quental said...

Ver o segundo comentário de Antero de Quental, na opinião do Dr. António José Seguro, no jornal o Expresso, em:
http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/310373

maio 16, 2008 12:26 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home